Selva

Selva é uma reflexão sobre a conexão da mulher com o seu ser mais profundo, instintivo e intuitivo. É uma viagem pelos três arquétipos Jovem, Mãe e Velha que se desdobra nas questões universais do que é ser-se Mãe na nossa sociedade. 

Como pode o emocional ser considerado uma fraqueza no caos urbano - um caos que prospera de emoções?  

Selva debruça-se sobre o que significa ser, ter e conectar com a figura Mãe e a sua ancestralidade, instigando a partilha de memórias entre mulheres: Avós, Mães e Filhas. A sobreposição destas narrativas dá lugar a um discurso único sobre o passado e o presente, as origens e o fim. 

 

Dramaturgicamente a peça desenrola-se sobre uma viagem por três arquétipos do feminino denominados de a Velha, a Mãe e a Jovem. Juntas surgem como reflexão do coletivo, sobre os inerentes e inconscientes traços da mulher. 


A Velha relembra memórias de uma guerra e de provas físicas inimagináveis. A Mãe tenta estabelecer a sua independência dentro do estigma de dona-de-casa, e por consequência entra em conflito com a sua própria mente. A Jovem, por último, observa o presente desejo da nova geração, na procura de se conectar e encontrar um equilíbrio entre o lado instintivo da vida e a luta pela igualdade de género.

Equi

Ficha Artística

 

Conceito, Dramaturgia e Direção Artística Rosana Ribeiro

Interpretação Melissa Ugolini, Rosana Ribeiro

Sonoplastia Danny Rico

Figurinos Heike Sehmsdorf

Desenho de Luz Nuno Meira

Produção Maria Albergaria, Rosana Ribeiro

Fotografia Aline Macedo, Joe Albrecht

Com o apoio especial de:

Calendário
ROSANA RIBEIRO