Peso Abstrato do Tempo

Neste sótão escuro, neste não-lugar que não é mais do que o contrario de uma utopia, nestes corredores e salas que existem mas que não albergam memórias, o tempo corre sem acrescentar nada àquilo que já lá está. Cada janela corrida, cada pagina dobrada, cada porta fechada reflecte o gesto que não volta a trás. Nada sucede àquilo que agora habita este espaço. No esquecimento deixa de existir. E ao deixar de existir, é livre.

Equipa

Criação e Performance: Rosana Ribeiro e Rui Peixoto

Música: Carlo Gesualdo

Com o apoio de: